segunda-feira, 20 de outubro de 2014

CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA ... É O QUE FALTA PARA MUITOS ...

PINHÃO NO PRATO, PINHEIRO DE PÉ

   Poucas décadas atrás, seria impensável que alguém pudesse fazer do pinhão um meio de vida. Araucária era árvore de se cortar, não de se colher. E, por conta disso, era árvore que quase não ficava de pé – quanto mais Pela primeira vez, manter uma araucária em pé é mais vantajoso do que derrubá-la. O corte de araucária foi legalmente proibido no Brasil em 2001. Antes disso, cerca de 100 milhões de pinheiros nativos viraram toras nas serrarias do Sul e Sudeste. Dos 185 mil quilômetros quadrados de floresta, restaram apenas 2%. É o ecossistema mais devastado do país.

   Essas florestas tornaram-se, principalmente, lavouras ou pastagem para gado. No município de Painel, Santa Catarina, a história foi outra. A topografia acidentada emperrou a agricultura e a pecuária intensiva e favoreceu a recuperação da vegetação original. A concentração de araucárias na serra catarinense impulsionou uma nova forma de renda: a venda do pinhão para a culinária. 

Painel, Santa Catarina.
   No entanto, a semente da araucária como produto rentável ainda é uma novidade para a maios parte dos produtores rurais da região. Embora seja parte da dieta local desde quando a região era habitada apenas por índios Kaingang e Xokleng, o pinhão ganhou valor comercial há pouco menos de duas décadas. Em municípios como Lages, São Joaquim e Urupema, ele ainda é uma atividade complementar, em grande parte executada por meeiros contratados na periferia das cidades.

   É o contrário do que acontece em Painel, onde se criou “uma situação única”, na definição do agrônomo João Antenor Pereira, responsável pelo escritório local da Epagri. “Aqui quem tira o pinhão é o próprio dono das terras. E a renda, às vezes, é até superior à da pecuária familiar”. Hoje Painel extrai 2.750 toneladas de pinhão por ano, o que equivale a um quinto do total de produção na serra catarinense. Já virou fonte de renda para dezenas de famílias da zona rural, distribuídas em bairros aqui chamados de “comunidades”.

Uma pinha rende, em média, 50% de seu peso: de cada 2 quilos, 1 é de pinhão.
   O grosso da produção é vendido para a Ecoserra, cooperativa sediada em Lages que se encarrega de comercializar os pinhões. Alguns, inclusive, vão parar na merenda escolar de Florianópolis. Cada quilo é comprado do produtor a R$ 1,70, o que já é bem mais do que os 30 centavos que se pagava há cerca de 15 anos. “O pinhão hoje tem valor agroecológico”, explica João Pereira, da Epagri.

   Isso se deve, em parte, a um trabalho de divulgação da Ecoserra, que culminou com a inclusão do pinhão catarinense na Arca do Gosto, uma lista elaborada pela Slow Food, fundação italiana que prega a ecogastronomia, com o objetivo de salvaguardar alimentos ameaçados de extinção ao redor do mundo. 

O pinhão catarinense foi incluído na Arca do Gosto, uma lista de alimentos ameaçados de extinção ao redor do mundo.
   Do que sobra de pinhão, uma parte fica no local, para consumo próprio. Há séculos os caboclos da região serrana fazem da semente da araucária sua principal fonte de amido. É costume, por exemplo, sair de casa para o trabalho na coleta levando uma paçoca de pinhão, no qual o fruto é cozido, moído e misturado com carnes.

Conheça aqui alguns pratos que podem ser preparados com o pinhão.

sábado, 18 de outubro de 2014

ANIMAIS + ELEMENTOS DA NATUREZA

  Estas esculturas do artista chinês Wang Ruilin seriam impressionantes apenas pelas suas representações em tamanho natural e incrivelmente detalhadas porém tem uma pitada de surrealismo nelas. 

  Cada animal possui elementos da natureza que se misturam com seus corpos. Rochas, relevos e nuvens saem de suas costas e chifres criando uma visão única da obra. Ruilin explicou que ele é largamente influenciada por artistas tradicionais chineses, como Xu Belhong cujas pinturas de cavalos, especialmente, influenciaram Ruilin quando criança.













dreams-animal-sculptures-surreal-wang-ruilin-14


Fonte e Imagens: Wang Ruilin


SCRATCH MAP - RASPADINHA MUNDIAL

     Suas viagens podem ser marcadas no SCRATCH MAP, é só você ir raspando com uma moda cada país que você já visitou.
      

      Para adquirir o Scratch Map é só clicar no link abaixo:
                     Versão normal: http://goo.gl/YuJHlj
                     Versão Deluxe: http://goo.gl/9uaDJu

     Dica: Você pode enquadra-lo e colocar souvenir das viagens que você fez pelo mundo, fica show !!!

 

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

NÃO VÁ SE PERDER POR AÍ

ATLAS INTERATIVO SOBRE CONFLITOS ECOLÓGICOS

o EJAtlas é um atlas interativo sobre conflitos ecológicos e espaços de resistência. Pode ser útil como fonte de pesquisa ou para um trabalho interdisciplinar com os estudantes. O único porém é o fato do conteúdo estar em inglês.


A ferramenta online foi produzida por mais de cem pessoas ligadas a 23 universidades e organizações civis que atuam em 18 países e aponta 58 disputas no Brasil. Esse número coloca o país em terceiro lugar no ranking mundial, ficando atrás da Índia, com 112 casos e da Colômbia com 77.

Clique aqui para acessar o EJAtlas.

O MAIS NOVO PRÉDIO DE SYDNEY É LITERALMENTE VERDE

   As cidades de todo o mundo estão percebendo que com todo este desenvolvimento urbano recente elas devem se adaptar as novas políticas sustentáveis. Há pouco espaço para prédios, pessoas e plantas e os espaços verdes são vitais para uma melhor qualidade de vida da população. Porém é extremamente difícil criar espaços verdes em áreas urbanas concentradas de concreto e asfalto.

     Em Sydney, Austrália, o arquiteto Jean Nouvel criou este espaço verde indescritível e de forma sustentável. O que ele arquitetou foi um "bosque"com duas torres de edifícios. As torres são 16 e 33 andares, com quatro andares de espaço destinado a vegetação e 563 apartamentos.

O edifício com suas duas unidades de painéis solares
The building with its two units and reflector.

A sua vegetação é semelhante ao das praças próximas ao edifício
The building's greenery takes a cue from the nearby parkland.

A vegetação cresce livremente por todo o edifício, como uma floresta urbana.
The vegetation grows freely all over the building, like an urban forest.

O refletor permite que a luz solar atinja as plantas em locais que não recebem a luz do sol.
The reflector allows sunlight to reach plants in shady places.

Cada unidade tem acesso alguns canteiros com hortaliças
Each unit gets access to some greenery

O edifício, olhando de cima, parece dominado pela vegetação
The building as seen from above, looking notably green.

    Além de boa aparência e quebrar a monotonia do ambiente urbano as edificações sustentáveis também fornecem uma maneira de limpar e filtrar o ar. Reduzindo também o fenômeno da ilha de calor, absorvendo o calor do sol , reduzindo a temperatura da cidade e, em uma escala macro, a temperatura do planeta.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...